Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A 3ª face

Qua | 06.09.17

Ontem, mudei da MEO para a NOS e já estou embrulhada com um lindo laçarote em cima

telec.png

Como nota prévia, devo advertir que este é o meu caso e não significa que se replique no resto do país. Mas achei por bem partilhar, para que fiquem atentos a algumas questões importantes antes de celebrar um novo contrato sem fibra.

Eu fui daquelas que aproveitou a possibilidade de rescindir com a MEO antes do termo do período de fidelização, na sequência das recomendações da ANACOM decorrentes do aumento dos preços. Estava fartinha do mau serviço, sobretudo da Internet e confirmei que não há previsão para a MEO instalar fibra óptica na zona onde vivo. Por outro lado, sei que a Vodafone e a NOS estão prestes a ligar este serviço e, depois de muitas horas a pedir informações nas várias lojas de telecomunicações, eu e o meu marido achámos as condições da NOS mais vantajosas.

Todavia, não estando a fibra ainda disponível, foi feita instalação por satélite até haver condições para mudar .

Ontem, estiveram cá dois rapazes a tratar da instalação, super profissionais e educados. Terminaram por volta das 21.00h e foram-se embora ( Ainda tinham 90 km pela frente até casa, coitados)!

E às 23.00 h, já estávamos a ligar para o apoio técnico porque a internet, em vez dos 40 mega contratualizados, não passava de 1 mega!

Hoje ligámos novamente (há pouco, estava a 0,2 Mbps). Parece-me que, ao serão, o tráfego de Internet aumenta e sobrecarrega o sistema da NOS e nem sequer abrimos o Youtube, por exemplo! Mas durante o dia é pouco melhor (consegue chegar aos 3 mega).

Já ameacei rescindir o contrato por justa causa. Pedi que, amanhã, me informassem com rigor quando terei a fibra disponível, para tomar uma decisão.

Palpita-me que tenho uma longa batalha pela frente para rescindir sem pagar as despesas de instalação (460,50 €).

Por isso, peço que partilhem a minha experiência e estejam atentos às seguintes questões que passam despercebidas:

  • quando contratualizarem com qualquer uma das operadoras de telecomunicações, confirmem por escrito quais são os serviços mínimos que garantem, nomeadamente quanto à Internet. O facto de estar no contrato 40 Mbps, por exemplo, não obriga a atingir esta velocidade porque as letrinhas escondidas salvaguardam um serviço mínimo muito abaixo. Ora, isto implica que não seja fundamento para rescisão por justa causa se estes mínimos estiverem a ser cumpridos;
  • Nesta altura, parece-me que não compensa ter serviços de telecomunicações e TV por satélite. Mal por mal, mais vale a MEO.

 

Amanhã, conto-vos o próximo episódio. Se poupar alguém a estes dissabores, já encontro algo positivo no meio desta ciber-novela.

Entretanto, se me puderem ajudar e dar sugestões, ficar-vos-ia muito grata.