Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A 3ª face

Sab | 13.01.18

Mudei da MEO para a NOS: episódio nº 6 (Um final quase feliz)

telec.png

Tenho ainda por concluir a minha novela, que comecei quando mudei da Meo para a NOS. E sei que estou em dívida para com um leitor, que deixou alguns comentários desesperados no meu último post e que vou tentar ajudar.

Mas precisei de tempo para me libertar deste pequeno pesadelo e avaliar o serviço da operadora antes de escrever o episódio final.

Como fui relatando, o meu tormento prendia-se com o péssimo serviço de internet porque não me instalaram a fibra, conforme havia contratado inicialmente.

Pois tive que ser eu a provar que tinha fibra! Apesar de enviar um mail com a localização da minha casa, o departamento de expansão não a conseguiu localizar e simplesmente arquivou o pedido, sem me avisar! (E pergunto eu: se me foram instalar o serviço no mês anterior, como não conseguiam agora encontrar a casa?)

Cheguei a receber dois telefonemas seguidos da NOS, de departamentos diferentes, com informações controversas, porque não há comunicação interna nesta empresa (bem, infelizmente não é só nessa)!

Depois de enviar as minhas coordenadas e fotografia do poste com a caixa da fibra, lá me confirmaram o óbvio: a fibra podia ser instalada.

Todavia, depois da instalação, o wi-fi não ficou muito melhor! Vai abaixo com frequência, é lento e tem pouco alcance.

Para que o meu filho regressasse aos jogos, foi necessária a persistência do pai, que passou fios do rés-do-chão até ao primeiro andar, para que o seu computador recebesse net por cabo. E aí sim, consegue-se 200 mega de net! Afinal, é tão só isso que a NOS garante: 200 mega mas por fio. Por wireless? Nem um décimo!

Quanto à internet móvel, concluo que a cobertura deixa muito a desejar, pelo menos na zona do Alentejo. No meu trabalho (dentro da cidade) passo horas sem sinal da net.

Mas, para pior, vamos deixar ficar assim até ao final do contrato. Depois se verá!

Neste processo, investiguei as possibilidades de reclamar pelo incumprimento do contrato ou mau serviço e podemos fazê-lo a várias entidades:

- DECO – se formos sócios, poderemos telefonar ou enviar mail.  Mas qualquer pessoa pode fazer atendimento presencial nos municípios onde existe atendimento da Deco (basta contactar a Câmara Municipal para saber se dispõem desta parceria);

- Provedoria NOS 

- ANACOM

- Gabinete Alternativo de Litígios

 

Saibam também, pela minha experiência, que desistir do serviço da NOS é uma tarefa hercúlea. Dificultam ao máximo, ameaçam e, atrevo-me a desconfiar que usam de má-fé. Isto, porque, para desistirmos, temos que receber um token (código) que vem por correio. A mim, nunca chegou. Pelo comentário ao meu post anterior, verifico que este cliente também não o recebeu. Todavia percebi que, se telefonarmos e pedirmos que nos ditem o token, o operador tem acesso a essa informação e pode-nos facultar! Há que insistir e não desarmar!

 

i

 

Sex | 12.01.18

Controla-te: aqui há passatempo

26196420_985805008239180_3682055859996196467_n.jpg

 Para celebrar o Dia dos Namorados, a Control lançou um passatempo, cujo maior prémio é um cheque viagem no valor de 4.000 € (quartro mil euros).

Não é preciso comprar qualquer produto.

O passatempo decorre entre 10 de Janeiro e 14 de Fevereiro, com a seguinte mecânica:

  1. O participante tem de fazer “Gosto” na página da Control Portugal.
  2. O participante tem de se conectar ao passatempo com a sua conta de Facebook.
  3. Cada participação tem um custo de um crédito.
  4. É atribuído um crédito por dia que não acumula para o dia seguinte, tendo por isso de ser utilizado até às 23h59 do próprio dia.
  5. Os créditos ganhos durante o decorrer de uma participação não acumulam, só podem ser usados até às 23h59 do dia em que foram ganhos.
  6. Para efectivar a participação, tem de pressionar o botão “LEVANTAR VOO” e aguardar o resultado final.

Parece-me fácil! Vamos tentar a nossa sorte?

Sex | 12.01.18

Já vos falei do movimento "Zero Waste"? (Comprometo-me a reduzir a minha pegada ecológica #11)

Lixo Zero Portugal_grupo_capa.png

 

Esta rubrica começou no dia em que tomei coragem para medir a minha pegada ecológica e fiquei verdadeiramente assustada, como escrevi aqui.

Por conta própria, fui pensando em formas de diminuir o meu desperdício e ter opções mais ecológicas, que tenho partilhado aqui no blog.

Porém, devo confessar que, ao longo destes meses, tenho pesquisado o assunto e, como sempre, cheguei à conclusão que não é preciso inventar nada: já há pessoas inspiradoras que se dedicam a este tema e que nos podem ensinar quase tudo.

É o caso do movimento ZERO WASTE, que surgiu da luta diária de Bea Johnson (uma francesa a residir nos Estados Unidos) para diminuir o lixo que a família produzia. O estilo de vida passou a ser cada vez mais minimalista e, hoje em dia, nas suas conferências pelo mundo fora, mostra o frasquinho onde cabe o lixo que a família produz num ano inteiro.

Vai-se lá saber porquê (pois, o mundo não tem lixo a mais, nós não desperdiçamos nada, nem usamos descartáveis, nem consumimos demasiado para a seguir jogar fora), o movimento ganhou seguidores nos quatro cantos do planeta e até eu já me rendi a esta seita.

Bea (a sacerdotiza de uma vida sem desperdício) alimenta o blog zerowastehome e é autora de um livro sobre este modo de vida: Desperdício Zero (podem ler esta entrevista para a conhecerem melhor).

A comunidade Zero Waste já se espalhou em Portugal, dinamizada sobretudo por um grande Ser Humano: a Ana Milhazes Martins. O seu blog Ana Go Slowly é uma inspiração para quem se vai preocupando em diminuir a pegada ecológica e ser mais feliz com menos (estou ansiosa por conhecê-la pessoalmente).

Não consigo dizer-vos mais, afinal não passo de uma simples aspirante a aprendiz. Elas dizem e ensinam quase tudo!

Por isso, convido-vos - por vós, pelos vossos filhos e netos e pelo nosso Planeta- a entrar no blog da Ana e descobrir formas mais "saudáveis e felizes de viver". 

Ou,

em alternativa, visitar o blog da Bea Johnson 

ou

a página do Facebook Zero Waste Bloggers Network

ou

a página portuguesa do facebook  Zero Waste Portugal

ou

o que quiserem! Mas façam qualquer coisa para reduzir o lixo, desplastificar o planeta  e contribuir para o manter vivo e de saúde!

Obrigada.

Sex | 12.01.18

Eu nunca...

20817683_bPD0p.jpeg

 

... FUMEI! Mesmo jovem, quando todas as minhas amigas se concentravam no átrio da escola a passar o cigarro de mão em mão... eu é que dizia passo! Se sabia que fazia mal, porque razão estúpida iria viciar-me???

 

Mas eu nunca... vou deixar de comer CHOCOLATE! Há dois dias que revolvo a despensa à procura de uma migalhinha perdida, um quadradinho misturado no feijão... e nada!!!!

Qua | 10.01.18

Passatempo à vista: um pequeno almoço que pode render 1.000 €

fitness.png

 

O site da Nestlé Saboreia a Vida está a começar o ano com um passatempo de abrir o apetite!

Há 5 cartões de débito de 1.000 € para oferecer às melhores fotografias do pequeno-almoço com cereais Fitness.

 

Para participar, basta cumprir os 3 passos seguintes:

1. Comprar 1 embalagem de cereais Fitness entre os dias 2 e 31 de janeiro de 2018 e guardar o talão de compra;

2. Caso não tenham a conta de Instagram pública, seguir a página @nestlefitnessportugal, e deixar que a página @nestlefitnessportugal vos sigam de volta;

3. Fazer o upload de uma fotografia do vosso pequeno-almoço com cereais Fitness no Instagram entre os dias 2 e 31 de janeiro e colocar o hashtag #ComeçaComEnergia

 

Como já devem ter percebido, este é um passatempo que decorre no Instagram, pelo que só poderão participar se tiverem conta nesta rede social. 

 

 BOA SORTE E BONS PEQUENOS-ALMOÇOS!

Ter | 09.01.18

Eu tinha um part-time: era acompanhante. Agora acho que sou a substituta

5b68692b936fbdcb81769462e2447260.jpg

 

A minha filha, que está a estudar em Lisboa, mora perto da Faculdade e faz os seus percursos diários a pé: para as aulas, para o supermercado, para  o ginásio... e durante o caminho telefona-me para "pôr a conversa em dia" e ter companhia durante o trajeto.

Como podem calcular, são vários telefonemas por dia (que eu adoro, diga-se de passagem), ao ponto dos colegas “gozarem” com ela.

Por isso, pelas vezes e pelo tempo em que estamos à conversa enquanto ela caminha, costumo dizer que tenho um part-time: sou acompanhante.

Todavia, ultimamente, essa companhia tem vindo a diminuir e desconfio que passei à categoria de substituta.

Hum…há mouro na costa!

Seg | 08.01.18

Oprah a Presidente? Vamos ter calma, sim?

oprah.jpg

O dia de hoje foi da Oprah. Ponto final.

Não há muito mais a dizer que os comentários vindos de todo o planeta não tivessem já abordado.

Mas é impossível não falar sobre a sua postura, o seu discurso bem ensaiado, as suas palavras medidas a peclise. Ela disse exactamente aquilo que queria, com toda a coragem e emoção e foi isso que nos encantou!

Agora daí a adivinharem intenções escondidas de um possível caminho para a Casa Branca, parece-me um pouco precipitado! Talvez ela quisesse “apenas” chamar a atenção para as injustiças deste Mundo! Talvez pretendesse, tão só, usar o seu poder e influência para o tentar melhorar!

Esta euforia de a quererem presidente dos States só me faz lembrar o casamento do príncipe William e da Kate, quando o Mundo inteiro se armou em alcoviteiro e queria casar a Pippa e o Harry logo no dia a seguir.

Não é que eu me importasse que a Oprah fosse Presidente da maior potência mundial. Mesmo sem experiência política (o que me parece uma grande vantagem, para não levar vícios antigos), não seria pior do que Mr. Trump.

Aliás, iria adorar que este senhor fosse derrotado por uma MULHER -NEGRA - GORDA!

(atenção, estou a pensar pela suposta cabecinha de capachinho loiro, não pela minha)

Perdoem-me o machismo, mas a Oprah demonstrou, mais do que nunca, que tem uma enorme inteligência cognitiva e emocional… e uns “ganda tomates”!

Continua a inspirar o Mundo, querida Oprah… e vai lá pensando nas eleições, por favor!

  

 Se ainda não viram o discurso legendado, podem ir ao Facebook da Sic Notícias aqui

Sex | 05.01.18

Desafio das 52 semanas: Coisas que me fazem ficar feliz

20817683_bPD0p.jpeg

Há desafios irrecusáveis, não é?

Já que, em 2017, não consegui cumprir o “desafio das 52 semanas” para fazer uma poupança, vamos lá ver se consigo cumprir este, lançado pela Happy !

 

Coisas que me fazem ficar feliz

São tantas… não sei bem como, mas desde pequena que aprendi a valorizar o que a vida me dá e a relevar o que chateia mas que, no fundo, não tem importância.

 Indico apenas 3 e são tão simples:

 - ficar na cama até tarde a “preguiçar";  

- ter tempo para olhar o céu e agradecer a vida que tenho;

- abrir a página blogs.sapo.pt e descobrir que um post meu foi destacado.

 

Há sorrisos que  brilham mais que diamantes!

Qui | 04.01.18

O veto do Sr. Presidente e a minha triste relação com a política

naom_58627a35a01e9.jpg

O início de ano de 2018 ficará na história da política portuguesa como um momento triste: ainda antes do Dia de Reis, o Sr. Presidente da República roubou o presente de Natal do sapatinho dos partidos políticos. Isso não se faz!

Não é que eu goste de política. Aliás, tenho um trauma de juventude que me impossibilita de aproximar mais de 100 metros de tudo o que tenha a ver com partidos políticos.

Passo a contar:

Corria o ano de 1987 quando viajei até Lisboa numa visita de estudo organizada por uma professora: das primeiras deputadas em Portugal, uma Mulher de Abril!

Calhou, nesse dia 3 de Abril de 1987, em que visitámos a Assembleia da República, debater-se na arena do Hemiciclo, uma moção de censura ao governo de Cavaco Silva.

Calhou, eu, que acreditava (na ingenuidade dos meus 16 anos) que os nossos governantes eram as pessoas mais íntegras, inteligentes e educadas do país, ter assistido à pior cena de ofensas, gritaria e má-educação de que tenho memória. A agitação era pior do que numa turma da pré-escola, ninguém se conseguia fazer ouvir porque os restantes deputados uivavam e batiam com os pés no chão para abafarem os discursos!

No meio do meu horror, lembro-me do brilho nos olhos da minha professora, que estava a rejubilar com o espectáculo.

Já cá fora, na escadaria da Assembleia, um deputado reconheceu-a, cumprimentou-a e perguntou-lhe o que estava ali a fazer.

- Vim mostrar aos meus alunos como se derruba um governo – respondeu orgulhosa.

Pois a mim, mostrou-me outra coisa: o que é a política nua e crua. E eu não gostei.

Continuo sem gostar, 30 anos depois. E os convites que já me fizeram para integrar listas autárquicas continuam sem me seduzir. Nem pela vontade de tentar melhorar a minha terra. Nem por vingança (que saberia tão bem) ...  Simplesmente não quero correr o risco de acabar a bater os pés numa assembleia qualquer...  

Qua | 03.01.18

Resposta à Gorduchita e a todas as mães que não têm tempo para elas próprias

mom-2208928_960_720.jpg

 

Respondo à Gorduchita porque os seus desejos para 2018 fizeram-me regressar no tempo. Talvez porque, hoje, o meu filho mais novo faz 15 anos e eu estou mais sensível! A mais velha está a 100 km de casa, na Faculdade.

O primeiro desejo da Gorduchita é ”Conseguir tirar mais tempo para mim, sem me sentir culpada".

 

Aqui, é meia-noite e escrevo com todo o tempo do mundo!

Há 20, há 10 ou há 5 anos atrás, nunca teria tempo para colocar o portátil em cima do colo, sentada na cama e concentrar-me para escrever.

Hoje, especialmente hoje, sinto-me um pouco saudosa das noites mal dormidas, em que tinha um pedaço de amor a dormir em cima da minha barriga. Em que a esta hora, adormecia sentada e exausta enquanto dava de mamar. Foi a época em que o meu maior desejo era tomar um duche descansada…ou sentar-me na sanita sem ter alguém a saltar-me para o colo… como te entendo! Ser mãe é a maior felicidade do mundo mas, por vezes, o cansaço faz-nos sentir as mais desgraçadas desta vida!

Não tenho dúvidas, com o distanciamento destes anos, que o melhor que dei (e que ainda dou) aos meus filhos foi o meu tempo!  O tempo em que brincámos, em que aprendemos a ser mãe e filhos e em que lhes transmiti os valores que os tornaram duas pessoas maravilhosas, de quem me posso orgulhar!

Mas também é importante que nós, mães, não nos esqueçamos de ser pessoas. É fundamental que não nos foquemos exclusivamente nos filhos, secando tudo o resto à nossa volta. Isso não é bom para nós nem para eles, que se tornarão pequenos tiranos e adultos egoístas.

Ter algum tempo para nós é a pausa que evita o esgotamento. Ou a expiração que permite que voltemos a inspirar o oxigénio que nos dá vida. E, para eles, também é importante que comecem a perceber que há mundo para além dos pais. Que podem sobreviver sem o nosso cheiro, durante umas horas. Aqui não há culpas, Gorduchitas deste mundo! É uma necessidade homeostática, que nos devolve o equilíbrio!

 

Saibam, na primeira pessoa,  que esta fase passa tão rapidamente, que daqui a nada vão sentir a nostalgia do tempo em que não tinham tempo. Há que aproveitá-la ao máximo, mas que não nos pese a consciência por também sermos filhas, amigas, amantes, companheiras, colegas. E desculpem-me porque hoje estou “em modo mãe”. Mas feliz.