Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A 3ª face

Sex | 26.10.18

Passatempos que eu não me importava de ganhar #34

 São tantos, tantos passatempos, que custei a terminar o post!

 

Os primeiros passatempos de Natal já aí estão.

Chegou a época em que os prémios valiosos andam à solta.

Não dá para resistir. Vamos lá participar!

42842990_1449212135222349_134815226670350336_n.jpg

Prémio: 1000 € em cartão de débito

Selecção de 5 vencedores: frase criativa

Data limite:31 de Novembro

Participar: aqui

OBS. Implica compra

 

21213287_VoQW6.png

Prémio: 1200 € em cartão Jumbo e 600 € em combustível

Selecção de 2 vencedores por semana: frase criativa

Data limite:16 de Novembro

Participar: aqui

OBS. Implica compra no Jumbo

 

21213316_qf9Ko.png

Prémio: viagem dupla a Nova Iorque e bilhetes para o Quebra-Nozes

Selecção de 1 vencedor: respostas certas a questionário

Data limite:31 de Dezembro

Participar: aqui

OBS. Implica a compra de produto Glade

 

44037095_1108633272628598_5153801686791225344_o.jp

Prémio: viagem dupla a Nova Iorque

Selecção de 1 vencedor: foto com mais likes

Data limite:14 de Novembro

Participar: aqui

OBS. Implica a compra de produto

 

Sem Título.png

Prémio: 1 prémio por semana

Selecção de 1 vencedor por semana: frase criativa

Data limite:25 de Novembro

Participar: aqui

 

bodegon-home-desktop.png

Prémio: bicicletas dobráveis 

Selecção de 50 vencedores: comentário, foto ou vídeo criativos

Data limite:30 deNovembro

Participar: aqui

 

unnamed.jpg

Prémio: pijama personalizado

Selecção de 10 vencedores: sorteio

Data limite:6 de Novembro

Participar: aqui

 

mw-680.jpg

Prémio: grelhador Light Grill da Hotpoint

Selecção de 1 vencedor: frase criativa

Data limite: 12 de Novembro

Participar: aqui

 

44817981_1880060145375728_2834384175740485632_n.pn

 Prémio: Sébium Global Cover

Selecção de 5 vencedores: sorteio

Data limite:28 de Outubro

Participar: aqui

 

44859957_1422770194492208_5771506241238990848_n.jp

 Prémio: Kit da Caudalie Vinopure

Selecção de 1 vencedor: sorteio

Data limite:26 de Outubro

Participar: aqui

 

44765813_2327296893966421_2826672561960517632_n.pn

 Prémio: sneakers Beppi

Selecção de 1 vencedor: sorteio

Data limite:29 de Outubro

Participar: aqui

 

44225001_2069209450075129_7504635788395544576_o.jp

 Prémio: sessão fotográfica

Selecção de 1 vencedor: sorteio

Data limite:1 de Dezembro

Participar: aqui

 

44099763_334381403963413_7896210422083092480_n.png

 Prémio: NOVA LINHA GEMADA - GOTA DOURADA 

Selecção de 1 vencedor: sorteio

Data limite:30 de Outubro

Participar: aqui

 

44524475_2403692802990454_5660889229681491968_n.jp

Prémio: iWatSpace

Selecção de 1 vencedor: sorteio

Data limite: 28 de Outubro

Participar: aqui

44455937_568264856962218_8400854901676048384_n.jpg

Prémio: mochila de maternidade

Selecção de 1 vencedor: sorteio

Data limite: 4 de Novembro

Participar: aqui

 

44298347_1921439997921674_2009003671764860928_n.pn

 Prémio: vestido

Selecção de 1 vencedor: sorteio

Data limite: 31 de Outubro

Participar: aqui

44333040_1921432767922397_9145972169220554752_n.pn

Prémio: vestido

Selecção de 1 vencedor: sorteio

Data limite: 31 de Outubro

Participar: aqui

 

43544709_1717902694985000_6866662896730898432_n.jp

Prémio: relógio Timberland

Selecção de 1 vencedor: sorteio

Data limite: 29 de Outubro

Participar: aqui

 

44707120_1973900542698353_1867693612729368576_n.jp

Prémio: relógio G-Shock

Selecção de 1 vencedor: sorteio

Data limite: 29 de Outubro

Participar: aqui

 

44768067_10156807987009375_8118065828181573632_n.j

Prémio: COLUNA PORTÁTIL XIAOMI

Selecção de 1 vencedor: sorteio

Data limite: 5 de Novembro

Participar: aqui

 

44769045_2314139218814322_2395627732873510912_n.jp

Prémio: Instax Mini 9

Selecção de 1 vencedor: sorteio

Data limite: 30 de Outubro

Participar: aqui

 

44428322_2539497796091073_7906300661766029312_n.jp

 Prémio: Secador 3500 supercompact da Parlux 

Selecção de 1 vencedor: sorteio

Data limite: 2 de Novembro

Participar: aqui

 

44528281_1588522761247598_2660023050577117184_n.jp

 Prémio: Kit Garnier 

Selecção de 1 vencedor: texto criativo

Data limite: 1 de Novembro

Participar: aqui

 

43674807_1264973690307007_4101215462942048256_n.jp

 Prémio:2 gift card do Aqua Portimão

Selecção de 1 vencedor: sorteio

Data limite: 31 de Outubro

Participar: aqui

Sex | 26.10.18

Em dia de greve, todos têm razão?

sep_24102018_frentecomum_greve_26out_cartaz.jpg

 

Sou funcionária pública e não fiz greve.

Não me desmembrem já.

Nem me louvem.

 

O que eu quero relatar é que hoje estive do outro lado.

Há um mês que esperava por uma consulta médica.

Fiz 60 km para ir ao hospital ouvir, da própria médica, que não podia efectivar a consulta.

Cá fora estava um paciente furioso. Demorou uma ano em exames e marcações  até  lhe ser confirmado o diagnóstico de cancro na prostáta (como ele referiu).

Hoje, finalmente, iria à consulta para ser decidido o tratamento.

E ele, mais o seu cancro da prostáta, voltaram para casa. Iguais a ontem (talvez o cancro tenha ganho terreno e esteja mais disseminado, saber lá).

 

E vim a pensar na velha questão: até onde os direitos de uns se podem sobrepor aos direitos dos outros?

 

Nisto das greves, todos têm razão.

Uns querem melhores regalias. Outros querem ser atendidos nos serviços públicos, que para isso é que pagam impostos.

 

Pessoalmente, sinto cada vez mais descrença nas greves.

Sinto-as vazias.

Parece-me que existem para cumprimento de calendário, como as acções de formação financiadas que têm de ser concretizadas até ao final do ano civil.

Ou como a Black Friday.

Todos os anos, já sabemos que vão acontecer na altura ideal, quando já cintila o 13º mês.

A greve geral da função pública também tem uma data ideal. A uma sexta-feira (aproveita-se para fazer ponte), imediatamente após recebermos o vencimento (dinheiro fresco faz esquecer o corte do mês seguinte) e com efeitos diluídos no recibo que engloba o 13º (nem vamos dar pelo desconto, vamos lá ficar em casa).

Eu ainda me lembro do meu pai fazer greve, logo após ao 25 de Abril, por direitos fundamentais. E faziam o horário de trabalho junto à porta da empresa. Nem um minuto de atraso.

Hoje em dia, sinto a greve como uma forma de reivindicação “que tem de ser”.

Com data marcada.

Bora lá fazer greve no dia em que dá mais jeitinho.

E como não acredito em lutas por marcação, vim trabalhar.

Sex | 26.10.18

Desafio da escrita - palavra: diário

diario antigo.jpg

O seu sonho sempre fora ser escritora.

Desde pequena, nunca considerara outra profissão.

Mas depois do curso acabado e de dois livros publicados às suas expensas (ou melhor, da família) e sem grandes êxitos, rendeu-se à crua realidade de que teria que encontrar outra opção de vida.

E tornou-se professora de Português e Literatura.

Era boa profissional. A paixão com que ensinava sobre os livros dos outros era quase igual à dos seus sonhos.

 

Agora estava ali. Ela, Inês Real.

No palco de um anfiteatro, a receber o prémio de melhor livro do ano.

Nem sabia como. Foi tudo tão rápido.

E podia agradecê-lo à avó, Maria Inês.

A sua heroína de sempre. A mulher de força invencível, que vivia cada dia como se não acreditasse no amanhã.

Porém, quando um cancro fulminante lhe ditou que o amanhã poderia mesmo não chegar, foi Inês - a neta - que fez questão de cuidar dela no final da aventura.

Nesses dias, entre lágrimas e morfina,  conheceu a  avó verdadeira. E o seu passado.

 

Conheceu a Maria Inês do espírito aventureiro, que a levava a desafiar o mundo.

E esta confidenciou-lhe que o amor da sua vida não tinha sido o marido. Tinha-se apaixonado muito antes por outro homem, de nome Miguel, motorista de um Ministro.

Sendo de uma das famílias da elite lisboeta, o amor de Maria Inês e de Miguel foi um escândalo na família. Proibido.

Encontravam-se às escondidas na casa do Ministro, que rapidamente descobriu o caso amoroso.

E que mais rapidamente ainda também se apaixonou por ela.

Com medo da pressão da família, Miguel convenceu-a a fugir par o Brasil e aos poucos, Maria Inês foi desviando de casa o que queria levar na viagem sem volta.

 Nunca conseguiria carregar tudo no momento da partida e foi levando alguma roupa, depois jóias, a moldura com o retrato da família, o diário em que escrevia sobre a sua paixão.

Tinha medo. Da decisão e do futuro. Fora criada como uma princesa e, no fundo, tinha dúvidas se o amor a faria esquecer o luxo a que estava habituada.

Mas amava Miguel tanto quanto aquele pequeno ser que lhe começava a arredondar a cintura. E de quem ele nem desconfiava.

 

Por coincidência ou espionagem, na noite em que Maria Inês deveria sair de casa para se encontrar com Miguel no cais, de onde partiria o navio para o Brasil, o Ministro entrou-lhe casa a dentro a pedir a sua mão em casamento.

E Maria Inês ficou.

Para sempre.

E do seu grande amor restou a mãe de Inês Real, sem desconfiar que nunca foi filha de um Ministro.

E como testemunha um diário desaparecido, único tesouro que a avó lamentou no último suspiro. Disse que escrevia quase tão bem como a neta…

 

Foi esta história, com todos os pormenores da vida ou da imaginação da avó - saber lá - que se transformou no romance do ano “A mulher que não chegou ao cais”.

E foi entre autógrafos e fotografias, depois da cerimónia, que um velhinho simpático e com sotaque brasileiro a beijou, elogiou e lhe ofereceu um presente pelo carinho com que narrou a avó, uma idosa como ele.

Quando Inês Margarida retirou a fita e o bonito papel e recuperou, já o velhinho desaparecera.

Na mão tinha o diário da avó.

 

Texto inserido no Desafio da escrita

Palavra do dia 26: diário

 

Qua | 24.10.18

O caso da alegada violação do Ronaldo: dos boatos ao estudo científico

 

maxresdefault.jpg

Eu juro que não queria falar disto. Tenho-me contido este tempo todo.

Afinal, não estava lá no quarto e tenho mais onde gastar os meus poucos neurónios do que a divagar sobre uma alegada violação do Melhor do Mundo.

 

Mas ontem, quando me fui deitar, o meu marido tinha a televisão sintonizada na CMTV… e eu apercebi-me que fizeram uma sondagem a 600 portugueses sobre o assunto.

E apresentaram os resultados segundo o sexo, a zona de residência, o clube de futebol com quem simpatizam.

Um estudo à séria. Científico. Tal como eu aprendi nas cadeiras de Metodologia Aplicada às Ciências Sociais e em Estatística.

Discriminaram a amostra, a percentagem de inquiridos em meio rural, em meio urbano…idades…tudo!

 

Eu já estava meio a dormir mas acho que ouvi que há mais sportinguistas que crêem na inocência do Ronaldo do que benfiquistas.

Fiquei contente. Afinal, nós, sportinguistas, somos mesmo boas pessoas!

Quem não confia não é de confiar, lá diz o ditado. E nós somos de confiança, caramba!

 

Mas tenho de criticar um bocadinho.

Acho que o inquérito pecou pela falta de uma pergunta. A que todos nós queríamos saber:

 

- O(A) sr(a) estaria disposto(a) a ser violado(a) pelo Ronaldo se a seguir ele lhe oferecesse 300.000 € para fechar a boquinha?

Essa pergunta, meus caros, é que eu tinha curiosidade de ver tratada estatisticamente!

(pois cá eu, desconfio que nem que pagasse o dobro dessa quantia ao Cristiano, ele me faria o favor de violar)

 

Enfim, sinal de que não existem temas mais importantes no país para serem tratados. Tal como as listas de espera de 3 e 4 anos para consultas de especialidade, no SNS, por exemplo…

Qua | 24.10.18

Desafio da escrita - dia 10: peluche

   

osos.jpg

 

A ideia romântica que temos de um sótão é a de um lugar mágico, cheio de teias de aranha e tesouros escondidos em baús.

Pois eu tenho um sótão grande, com três divisões. Tem teias de aranha, às vezes. Mas, em vez de baús, tem muitas caixas de papelão e muita tralha desarrumada.

Ora, desde há duas semanas que eu e o meu marido andamos a tentar arrumá-lo. Começámos pelo meu atelier de costura, como expliquei aqui.

Ele continua a fazer prateleiras de arrumação. Tirou tudo do sítio.

O sótão é o albergue dos peluches  dos meus filhos. Neste momento, para onde me viro, vejo-os por todo o lado.

De todos os tamanhos (há um elefante do meu tamanho), cores e feitios…

 

E eu.

Eu, em criança, apenas tive dois peluches.

Uma pantera cor-de-rosa que enfeitava uma cadeira.

E um coelho-bebé azul, com pilhas, que dizia mamã.

 

O coelho azul devia ser muito valioso.

 Acho que a minha mãe tinha medo que eu o estragasse (não sei porquê, a única coisa que estraguei na minha infância foi o olho de um boneco que, acidentalmente recuou e o deixou zarolho. O que eu chorei, meu Deus) e o coelho passou a vida dentro da caixa, em cima do guarda-fato.

Ainda me lembro de estar na cama e contemplá-lo, a brincar com ele na minha imaginação.

Agora que penso nisso, acho que tenho a tendência para fazer da vida aquele coelho. Ficar parada a contemplá-la, com medo de a estragar.

 

Triste ideia.

A da minha mãe.

O coelho foi herdado por uma prima ainda dentro da embalagem. Deve ter sobrevivido uma semana.

 

E triste ideia a minha.

De que me serve a vida dentro de uma caixa?  A vida é para ser agarrada, sorvida, aproveitada.

E mesmo que a esfrangalhe de vez em quando, haverá sempre forma de a remendar. Como um peluche.

Assim como assim, ela é só minha e ninguém a conseguirá herdar.

Ter | 23.10.18

Projecto DIY da semana: E se enganássemos os putos no Halloween?

E, em vez das tradicionais gomas e guloseimas  da praxe, os mimássemos com comida assustadoramente saudável?

Descobri algumas sugestões que vão arrasar (e evitar algumas cáries).

E são tão fáceis de executar que parece trabalho de bruxa. Daquelas a sério, que estalam os dedos e as coisas aparecem feitas. Ou já compraram uma Bimby.

Porque daquelas que passam o serão a mexer no caldeirão já cá estou eu...

 

5717ef1d02e584516248357de25b3cb4.jpg

 73c1ba2b25219180affda05e7a349d21.jpg

1cbc652a77b592f74f58c70f9a80ff2b.jpg

9ec7864b2c07a58064e4c93aa4bdd179.jpg

 

762e6f25b0ff5d49e1e22cafe6e1e46e.jpg

 

7887fe61369a159ec644ab611a298da3.jpg

c23751031542696f2566be2ba8d01f87.jpg

e6132d82db7c580b4b016e20a00492c1.jpg

 

d323fd23795a5eabc74d865c178c6aad.jpg

 Nota: todas as fotos foram retiradas do Pinterest.

Ter | 23.10.18

Onde eu gostaria de ir e não posso

recusar.jpg

 

Na próxima quita-feira, o ciclo Zero Waste vai abordar o tema  "Recusar".

Na minha perspectiva, é o verbo-cerne para um mundo com menos lixo.

Não basta reciclar, já que essa acção pressupõe um consumo prévio.

É necessário reduzir e recusar aquilo que pode ser descartável na nossa vida.

Talvez seja a acção mais difícil: por simpatia ou vergonha, nunca dizemos não à palhinha, ao saco de plástico, ao brinde...

Por isso, considero tão importante abrir o debate e a consciência pública.

 

O evento está a ser divulgado no Facebook, aqui.

É grátis mas sujeito a inscrição através do email: hello@zerowastelab.pt 

 

Dia 25 de Outubro às 17h30 
Local: Centro de Inovação da Mouraria, Lisboa

Ter | 23.10.18

Chamaram-me linda...

 

images (2).jpg

 Pintura de Lena Gal

 

Nunca morri de amores pelas redes sociais.

Foram os meus filhos que me criaram o perfil de Facebook, no tempo do Farmville, em que precisavam da colaboração dos amigos virtuais para a quinta prosperar.

Talvez porque nunca gostei de expor a minha vida, sobretudo através de imagens.

Não são as poses artificiais que me identificam. Nem o cabelo arranjadinho e a cara maquilhada que fazem de mim o que sou.

Porque, na realidade, eu não ando perfeita no dia-a-dia. Nem é isso que me preocupa.

 

Acho que foi esse o motivo que me fez perder de amores pelos blogs.

É difícil uma pessoa escrever diariamente (ou quase) e esconder a sua essência. A escrita tem canal directo com a nossa personalidade e uma prosa artificial torna-se incongruente, mais dia, menos dia.

E assumo que, de facto, é isso que valorizo numa pessoa. O seu interior.

E é aí que eu tento aprumar-me todos os dias. Em ser atraente como ser humano.

 

Ontem, a propósito de um disparate que postei aqui, chamaram-me linda.

Quem nunca me viu e não faz ideia de como eu sou.

Apenas pelo que escrevo e partilho. E embora eu saiba que foi a simpatia a falar mais alto, eu quero muito acreditar que sim. Que tenho alguma beleza interior. E que me vou esforçar por ser cada vez mais bela. Todos os dias.

Embora não apareça nas stories do Instagram…

Ter | 23.10.18

Desafio da escrita - palavra: comida

 

spoon-2426623_1280.jpg

 

Eu juro que tentei inspirar-me para conseguir um bom conto sobre comida.

Mas, embora seja menina de bom apetite, esta palavra não me desperta vontade de boas histórias.

Primeiro, porque trabalhei com pessoas a quem faltava comida na mesa.

Não consigo esquecer-me de uma mãe que veio com o filho falar comigo e, envergonhada, acabou por confessar que nenhum ainda tinha tomado o pequeno-almoço.

E, que a criança comeu, logo ali, o pacote de bolachas que eu tinha guardado na gaveta da secretária.

Extravasando as minhas competências profissionais, levei muita comida da minha casa para entregar a famílias carenciadas.

E, sinceramente, não me apetece reviver esta fase.

 

Por isso, estou aqui a escrever este texto e a recuperar da maratona de Domingo, passada ao fogão.

Há dias em que a minha casa parece um restaurante de 3 estrelas Michelin. Uma por cada gosto diferente:

- o do marido, tipicamente alentejano;

 -o da filha, vegetariana;

- o do filho, bifóide, pizzóide e massóide.

No almoço de sábado, consegui conciliar os gostos com uma sopa de ervilhas com ovos (não contem nada, mas escondi as rodelas de linguiça da minha filha).

No Domingo, depois do almoço, resolvi fazer sopa e uma feijoada de legumes para a princesa não perder tempo a cozinhar durante a semana.

Já que estava na cozinha, decidi fazer um bolo para lancharmos e ela levar umas fatias para Lisboa.

Quando tinha os ovos na mão, olhei pela janela e vi os meus sogros a chegar.

A minha sogra trazia uma boleira na mão, com um bolinho de limão acabadinho de fazer!

Digam o que disserem, a comidinha que não nos dá trabalho, sabe sempre melhor!

E foi só fazer o chá!

 

Texto inserido no Desafio da escrita

Palavra do dia 23: comida