Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A 3ª face

Sex | 14.02.20

Desafio dos pássaros #2.3

 

Tema: Manual para iniciar relacionamentos 

 

heart-shape-1714807_1280.jpg

 

Olho o seu vulto coberto por um fino tecido branco e percebo, pela primeira vez, o significado da perda.

Aquele corpo, que me acompanhou desde que tenho memória, mantem-se inerte.

O meu tio-avô Dino, o Diamantino, partira.

E com ele, veio o primeiro contacto com a morte, com os rituais fúnebres e com a vida-tal-como-ela-é.

Enquanto olho, correm-me as memórias e o quanto aprendi com ele.

Era um apaixonado por cinema e grande parte do dinheiro que recebia da reforma gastava nas viagens para a cidade, onde devorava todos os filmes em estreia.

Sempre foi a minha companhia e as conversas intermináveis ensinaram-me quase tudo da arte de viver…e de amar.

 

Adorava falar-me das namoradas e da forma como as cativava.

Na altura, não percebia porque me confidenciava que as dezenas ou mesmo centenas de mulheres que passaram pela sua vida o tratavam por Dinão. Tal como um dia me chamariam Pontão, assegurava ele.

Ensinou-me truques para as atrair, tal como os olhares de D. Juan e as conversas de apresentação com humor malicioso.

Falava-me da importância de ouvir o que elas não dizem mas que exigem que adivinhemos.

Onde devemos tocar para as levar à loucura.

Contava-me algumas das suas belas histórias de amor, da dança na praia, da instrutora da tropa que levava a passear na mota, de como fez um banquete no corpo de uma mulher…

 

- Um dia, escrevo um manual para iniciar relacionamentos – Costumava murmurar para rematar as conversas.

 

- Que estranho não aparecer nenhuma das antigas namoradas do tio Dino, aqui no velório… - comentei com a minha avó Pulquéria.

- O quê, filho? – Quase que os olhos lhe saltaram, a fixarem os meus.

- Alguma antiga namorada do tio…

- Namorada? O Diamantino teve uma doença grave, quando era mais novo que tu, que o tornou impotente. E nunca na vida teve uma namorada!!!!

 

A morte é apenas a morte.

Mas a vida!?

Ah, a vida é tal-como-ela-é, tio Dinão!

Pode ser tudo aquilo que queremos que ela seja...

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.