Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A 3ª face

Seg | 01.10.18

E tu, o que queres ser quando fores velho?

idosos.jpg

Eu já sabia.

Da leitura técnica.

Da observação empírica.

Mas ouvido na primeira pessoa tem sempre outro impacto.

 

Há uns anos, co-organizei um seminário sobre envelhecimento activo.

Na discussão sobre os oradores a convidar, alguém sugeriu um médico octogenário, que ainda exercia.

Ele veio.

Cheio de sentido de humor, explicou a dificuldade em levantar-se todas as manhãs. Uma dor aqui, um músculo preso acolá, uma articulação a estalar...mas levantava-se. Há muito que aceitara que o corpo envelhece e é necessário respeitá-lo e aprender a viver com as dores e incapacidades. Sinal de que continuava vivo.

Ainda dava consultas, sim. Diariamente. Levantava-se para isso. 

 

Mas o que eu mais recordo do seu discurso foi outra coisa.

Este médico exercera medicina do trabalho numa grande empresa durante muitos anos.

Acompanhava os trabalhadores, conhecia-os por fora...e por dentro.

E uma das suas preocupações era preparar-lhes a reforma.

Todos eles ansiavam por essa etapa de ouro: deixar de cumprir ordens e horários, descansar e fazer apenas o que lhes apetecesse. Tanta felicidade!

 

Todavia, os muitos anos de experiência ensinaram ao médico que existem dois tipos de trabalhadores:

- aqueles que não têm qualquer actividade pós-laboral, não desenvolvem um hobbie, não se inserem numa associação ou grupo de interesse.

- os que sempre desenvolveram uma actividade paralela, nem que seja uma horta, um desporto, a organização de um evento, um grupo coral...

 

Estes últimos, fazem umas férias prolongadas quando acabam a vida activa mas rapidamente são absorvidos por novas rotinas, aprofundam os hobbies, dedicam-se a um interesse novo ou antigo de modo mais aprofundado.

Continuam a queixar-se de falta de tempo mas vivem felizes.

 

Os primeiros, depois de desfrutarem do descanso inicial, entregam-se ao marasmo.

Sem horizonte, sem metas, sem motivos para acordar no dia seguinte.

Normalmente morrem ou desenvolvem qualquer doença incapacitante no prazo de um ano ou dois.

 

Por isso, este médico tinha o cuidado de ir percebendo se os pré-reformados "viviam" além do trabalho. Sugeria-lhes actividades, envolvia-os em eventos com antigos colegas. 

E defendia que é condição indispensável para a qualidade de vida dos idosos.

 

Em qualquer idade mas, sobretudo, na pós-reforma, a actividade motora e mental é indispensável para a nossa saúde física e mental.

Não há vida que resista ao vazio, à ausência de objectivos e de sonhos.

A velhice prepara-se hoje, aos 20, aos 40 ou aos 50 anos.

Ao aceitarmos que não seremos jovens para sempre.

Ao respeitarmos o nosso corpo.

Ao continuarmos a sonhar e a querer mais.

Sem parar. Até ao último minuto.

A isto se chama envelhecimento activo.

A isto se chama VIVER.

 

A Organização Mundial da Saúde define Envelhecimento Activo como o processo de optimização das oportunidades para a saúde, participação e segurança, para melhorar a qualidade de vida das pessoas que envelhecem.

 

E tu, já pensaste o que queres ser quando fores velho?

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.