Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A 3ª face

Ter | 31.07.18

Free plastic July: também é preciso falar sobre o plástico que não se vê

untitled-design-6_orig.png

 Julho é o mês livre de  plástico.

Várias iniciativas mundiais visaram sensibilizar a opinião pública para a diminuição do consumo de plástico, sobretudo o descartável.

Todavia, não quero fechar o mês sem falar no plástico invisível: aquele que não se vê e que ignoramos. Mas que não deixa de ser menos grave. Até porque é o responsável pela contaminação dos nossos alimentos…

 

Se olharmos com atenção, iremos reparar que a maior parte das nossas roupas são feitas de acrílico, nylon e poliéster.  Fibras plásticas, afinal.

O que nunca reparamos é que, cada vez que lavamos estes tecidos sintéticos, milhões de micro-fibras são libertadas na água.

As micro-fibras são pedaços minúsculos de plástico, demasiado pequenos para serem filtrados e o seu destino mais provável são os cursos de água e os oceanos, causando danos nos animais marinhos e no ambiente.

Estas fibras plásticas quase invisíveis já foram detectadas em alimentos presentes no  consumo humano e estudos científicos apontam que as micro-fibras são responsáveis por cerca de 85% da poluição costeira do planeta.

Fibers+with+Oyster+Shell.png

 Micro-fibras azuis presentes numa ostra

 

Os especialistas, apontam algumas medidas que podemos adoptar no dia a dia, para reduzir este tipo de poluição invisível.

Bem simples de adoptar por qualquer um de nós:

1 – Lavar as roupas sintéticas menos frequentemente e o mais rapidamente possível.

2 – Fazer lavagens com a máquina cheia. Desta maneira, gera-se menos fricção entre as peças de roupa, libertando-se menos fibras.

3 – Utilizar detergente líquido. O pó fricciona a roupa, favorecendo a libertação das fibras.

4 – Lavar a temperaturas baixas. As temperaturas mais elevadas podem danificar as roupas, libertando-se ainda mais fibras.

5 -  Após a limpeza dos filtros das máquinas, colocar os resíduos no lixo e nunca no esgoto.

6 – Evitar comprar roupa “fast-fashion”, sempre que possível.

7 – Privilegiar fibras naturais, como o algodão, o linho e a lã. Estas fibras degradam-se no ambiente. As fibras acrílicas não.

8 – Existem algumas soluções que filtram a quase totalidade das fibras durante a lavagem, embora sejam bastante dispendiosas. É o caso de filtros para as máquinas de roupa, que custam cerca de 120 € (como este  ou este  ou os sacos de lavagem Guppy Friend, que rondam os  30 €).

9 – Divulgar o que são micro-fibras e que medidas poderemos adoptar para reduzir a sua propagação no ambiente.

10 - Recusar produtos de higiene e beleza que contêm micro-plástico na sua composição, tais como dentífricos e esfoliantes, por exemplo (ver este post)

 

Para informação mais aprofundada, consultar  e divulgar os artigos do site http://www.plasticpollutioncoalition.org/

 

Vamos fazer com que Julho dure o ano inteiro?

 

 

 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    A 3ª face 01.08.2018 00:34

    Também eu. Mais vale comprar menos e de melhor qualidade.
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.