Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A 3ª face

Ter | 08.01.19

Já não cabemos na fotografia...

doll-figures-3015495_1280.jpg

 

A minha avó materna teve 10 filhos. Sobreviveram 8.

A minha avó paterna teve apenas 2 rapazes.

 

Quis o destino que esses dois rapazes se casassem com 2 irmãs.

De modo que eu, quando era pequena, nunca tive de me dividir entre duas famílias na noite de Natal.

Éramos apenas uma família.

 

Os meus avós paternos morreram cedo. E a Consoada, desde que me lembro, era passada com os avós maternos e a fratria.

Os irmãos, por serem tantos, tinham diferenças de idade significativas e eu tenho primos que poderiam ser meus pais. Mas tenho outros da minha idade e as brincadeiras desses dias eram memoráveis.

 

Desde que os meus avós morreram, a família só se volta a juntar em casamentos e funerais.

Funerais, cada vez mais.

 

O meu marido também tem uma família grande, de ambos os lados. Mas sempre conviveu mais com a família materna. Os avós tiveram 4 filhos, com pouca diferença de idade. O que fez com que os primos sejam uma escadinha quase perfeita. Cresceram todos juntos. Passavam as férias todos juntos, debaixo da saia da avó.

O amor que os une faz com que pareçam irmãos.

 

Nesta família, o Natal sempre foi um momento de ajuntamento, no monte alentejano. Com o lume a crepitar na grande chaminé, onde dantes se curavam os chouriços. E onde se ouvia o som do acordeão. Ainda assisti, imagino que sempre tenha sido assim.

 

Depois a avó ficou muito velhinha e os Natais deixaram de ser em sua casa. Para além disso, os netos começaram a casar e a ter filhos e tornou-se difícil passarem o Natal todos juntos.

 

Foi quando surgiu o Natal dos primos. Uma festa que se realiza depois do dia 25 e em que está toda (ou quase toda a família). Tornou-se incomportável dar prendas a todas as crianças, pelo que sorteamos os nomes para o Natal seguinte. Assim, todas recebem uma prenda.

 

Quando a matriarca morreu, temi que a tradição se perdesse.

Mas não. Todos os anos nos reunimos.

Pelo menos, uma vez por ano, estamos juntos.

 

No Sábado, cumpriu-se a tradição.

Somos muitos. Os 8 netos multiplicaram-se em 16 bisnetos. Mais as caras-metades. E os pais.

No final da festa, tiramos uma fotografia de grupo.

Este ano, a foto teve de ser no jardim, que não havia ângulo para  a máquina nos apanhar dentro de casa.

Já estava escuro mas os fotógrafos da família têm o equipamento necessário. 

Difícil foi conseguirem captar-nos a todos.

Ainda não vi as fotos mas desconfio que alguns ficaram de fora.

 

Foi boa ideia estarmos no exterior. Tenho a certeza que algures, lá em cima, um casal de velhotes nos estava a observar.

Somos muitos.

Já não cabemos na fotografia.

Mas é um orgulho pertencer a uma família destas!

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.