Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A 3ª face

Qui | 04.07.19

Missão Possível: reduzir o plástico #2

 

Trocar o plástico por alumínio?

 

aluminio.jpg

 

A folha de alumínio é um material que pode ser reciclado indefinidamente.

A sua versatilidade permite tantos usos que é difícil enumerá-los: é usado na culinária, em limpeza de panelas e utensílios de metal, na tábua de engomar para potenciar o  calor, como refractário no churrascos e até para "acrescentar" pilhas, quando não temos as de tamanho ideal.

 

O  uso mais improvável que lhe dou é para afiar tesouras -sobretudo a de zig-zag: vou cortando o alumínio várias vezes e a lâmina fica mesmo mais afiada .

 

DSC02438.JPG

 

E tenho o truque do alumínio, quando os bolos já estão cozidos, excepto no centro: tapo a parte cozida com alumínio para que "aguarde" pelo restante e é sempre um sucesso!

 

Portanto, quando substituí a película aderente   por folha de alumínio, fiquei muito satisfeita.

Por preguiça, muitas vezes uso-a usava-a para evitar sujar tabuleiros, quando fazia pizzas no forno ou bolos que poderiam derramar (com o raio da tarte de amêndoa, é sistemático)! Afinal, é um material reciclável, depois de limpo...

 

A folha de alumínio , tal como os recipientes de takeaway, não são descartáveis: podem ser lavados, mesmo na máquina de lavar e serem reutilizados.

 

Quando chega a hora da partida para o ecoponto, há 2 cuidados a ter:

 

- o material deve estar limpo, para não comprometer o processo de reciclagem;

- os pedaços pequenos não são reciclados. Por isso, devemos ir guardando os desperdícios e, quando estiver sensivelmente do tamanho de uma bola de ténis, é que deve ser depositado no ecoponto amarelo.

 

TODAVIA...

 

A minha mania de pesquisar e tirar dúvidas leva-me por caminhos inesperados!

É que o alumínio, pese embora seja reciclável indefinidamente, acarreta um processo pouco amigo da ambiente: consome o dobro da energia da produção de vidro, por exemplo.

 

E, mais grave, há estudos que defendem que não devemos cozinhar em alumínio porque, com o aquecimento, o metal liberta substâncias nocivas para os alimentos.

E o alumínio está associado à doença de Alzheimer, embora não existam provas científicas.

O facto de cozinharmos em "papelote de alumínio", por exemplo, parece ser demasiado arriscado. 

 

Acresce ainda que a folha de alumínio, quando quente, tende a agarrar-se aos alimentos, correndo-se o risco de ingerir pequenos pedaços .

 

Por isso, o uso de alumínio, na minha casa, ficou condicionado. Continuo a usá-lo mas com muita contenção.

Por exemplo, deixei de envolver o melão e a melancia partidos, no frigorífico, que me dava tanto jeito nesta altura.

 

Experimentei uma alternativa. Amanhã falarei sobre ela.

 

 

7 comentários

Comentar post