Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A 3ª face

Qui | 26.07.18

O toque de anti-Midas

eletrodomestico.jpg

 

Este post vai-me custar caro, daqui por umas horas. 

Quando for lido pela visada.

E não, não é vingança. É puro desabafo.

 

Penso que conhecem a história do Rei Midas. O tal da mitologia grega, que transformava em ouro tudo aquilo em que tocava.

Agora imaginem que dentro de vós sai a anti-Midas.

Parida de uma pessoa com mãos delicadas, que até se ajeita a transformar vários materiais em coisas relativamente bonitas.

 

Durante mais de 20 anos tive esperança que a idade quebrasse esta maldição.

Ontem mentalizei-me que não.

É que a minha filha continua a fazer jus ao seu cognome de "Mãozinhas".

Pela vida fora, sempre conseguiu proezas inumanas tais como:

- abrir uma gaveta e parti-la;

- tocar numa coluna e despedaçá-la;

- agarrar no aspirador e partir-lhe a asa;

- quebrar o vidro do iPhone dois dias depois de o substituir (por o ter partido antes)...

- Já conseguiu enrolar o cabelo numa escova de tal modo que tive que a levar a casa da cabeleireira (fora de horas) para lhe tentar salvar quase metade do cabelo.

- E daquela vez que estava a fazer um bolo e ficou com a cara encostada à batedeira porque deixou prender o cabelo nas varas, que se foi enrolando até ao couro cabeludo?

- Não vou falar de loiça partida (incluindo o prato do micro-ondas) e de coisas derramadas. Isso já é tão vulgar nesta casa!

 

Com ela, todo o cuidado é pouco. 

É por isso que, sempre que lhe compro alguma coisa de valor, faço seguro. 

 

Ontem, foi fazer uma sobremesa que implicava triturar frutos secos.

Eu tenho um processador que faz conjunto com a varinha mágica.

Basta encaixar a parte de cima da varinha no processador.

Sem esforço, sem dificuldade. Faço-o há anos...

E, pese embora os avisos de AMBOS OS PROGENITORES para ter cuidado, que estava a fazer muita força para encaixar as peças, conseguiu triturar os cajus e as nozes do Brasil!!!

Depois quis separar as peças.

E não conseguiu.

Lá fui eu e o pai. Um segura, o outro puxa delicadamente.

Nada.

Com a ponta de uma faca, tentámos abrir espaço para as duas partes se soltarem.

Sucesso!

Mas uma peça ficou agarrada à varinha.

Puxámos.

E descobrimos que ela conseguiu atarraxar uma peça na outra de tal forma que rebentou com o plástico do encaixe!

 

Nascida anti-Midas, anti-Midas para sempre!

Mãos que transformam no oposto do ouro (não vou dizer palavrões).

O que toca, parte.

 

Até corações ela parte! 

 

 

 

20 comentários

Comentar post