Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A 3ª face

Qui | 23.01.20

Fugir de si

A 3ª face
    Ela quis fugir de si. Dos seus defeitos sem fim. Das noites sem luz e dos dias sem horas. Quis partir. Soltar-se do corpo com dores e dos gestos sem rumo. Do vazio da vida cheia e do nada que as mãos agarram.   Foi. Mas depois voltou. Descobriu que só as cobras seguem o caminho depois de largar a própria pele. E até essas se confinam a rastejar. Compreendeu que o futuro é um presente que só o passado pode oferecer.    
Dom | 06.01.19

Bom Domingo!

A 3ª face
  Ao fim e ao cabo, a criatividade humana assenta na vida e no facto extraordinário de que a vida vem equipada com uma ordem precisa: resistir e projectar-se para o futuro, aconteça o que acontecer. Talvez seja útil termos em conta essas origens humildes, mas poderosas, ao lidarmos com as instabilidades e com as incertezas do presente. António Damásio, A estranha ordem das coisas   Talvez seja esta predisposição genética que nos faz dar tanta importância ao Ano Novo e às (...)
Qua | 20.09.17

Hoje, não quero falar de desgraças

A 3ª face
    Não quero falar do México, de terramotos, vulcões e morte Não quero falar de presidentes, discursos e ignorantes Nem de guerras, furacões e refugiados abandonados à sorte. Quero apenas imaginar que o mundo tem rostos sorridentes! Deixem-me acreditar que a vida se vai renovar amanhã E os que nascem hoje terão um futuro melhor Como se ficassem aninhados ao colo da mamã Protegidos por cada gesto de amor!            
Sex | 08.09.17

Eu, uma espécie de Forrest Gump do Portugal Moderno

A 3ª face
    Não é a primeira vez que os meus filhos chegam a esta conclusão. A propósito de uma conversa sobre música, eles (com 20 e 14 anos de idade), voltaram a dizer que a geração dos pais foi a mais privilegiada da História - incluindo a deles. E os putos têm toda a razão. Nasci em 70, quase no final da ditadura e da guerra colonial e apenas guardo memórias das histórias que alguns vizinhos e familiares contavam de uma África longínqua. A liberdade sempre me foi banal mas a (...)