Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A 3ª face

Qui | 07.03.19

O trabalho e a lei do ruído

A 3ª face
    Quer dizer, o sucesso pode não ser fama. Mas há sempre aquela altura é que uma pergunta ou um olhar vem comprovar que reconhecem o teu trabalho e as tuas competências.  Por muito que o queiram negar. Por muito que te invejem.  Por muito que esse BARULHO incomode.    
Qua | 19.09.18

O que de verdade importa...no trabalho

A 3ª face
Penso que conhecem aquela anedota de um grupo de canibais que trabalhava numa grande empresa: Em Nairóbi, Quénia, depois de um criterioso processo de recrutamento com entrevistas, testes e dinâmicas de grupo, uma grande empresa contratou um grupo de canibais para fazerem parte da sua equipa.      - Agora fazem parte de uma grande equipa - disse o Director de RH durante a cerimónia de boas vindas - Vocês vão desfrutar de todos os benefícios da empresa. Por exemplo, podem ir à (...)
Qui | 26.07.18

Um amanhã melhor

A 3ª face
Ah, é oficial! A esta hora em ponto, estou de férias.   Amanhã estarei a estender a toalha na areia, abrir um livro e olhar o mar!   Claro que hoje ainda vou confeccionar comida para levar, passar a ferro, fazer malas, conferir listas...últimas compras...a ver se não me esqueço do protector e da escova de dentes...da geleira para a praia e do pára-vento...documentos...casacos quentinhos ...pensar no que vou fazer nos dois jantares que hei-de preparar para amigos durante a (...)
Qui | 07.06.18

As coincidências do pastel de nata

A 3ª face
  Viram o post que publiquei ontem? Cujo título é "Um pastel de nata para quem conseguir" ? Foi a forma que encontrei para me auto-motivar no regresso ao trabalho, depois de um período de atestado.   Pois bem, hoje regressei. Confesso que já tinha saudades dos colegas. Contrariamente a muitas pessoas, são o melhor que tenho aqui no trabalho. Quando me sentei à secretária, (...)
Ter | 29.08.17

É só um momento de fraqueza, já vai passar

A 3ª face
    Ela olhou para o calendário e teve que aceitar que as férias estavam terminadas e iria regressar para o emprego. E o sentimento de tristeza assombrou as horas que ainda lhe restavam. Iria voltar a sentir-se uma parasita, 7 horas por dia, 35 horas por semana. Iria consultar o relógio do monitor dezenas de vezes, à espera da hora de saída, entre a meia dúzia de papéis de um trabalho mesquinho. Foram mais de 20 anos em que viveu verdadeiramente apaixonada pelo que fazia, (...)